Jorge Luiz Viesenteiner​​​​

 

Este trabalho tem por objetivo analisar a fórmula nietzscheana “tornar-se o que se é”. Ela e uma alteração da expressão de Píndaro feita por Nietzsche, que o preocupou desde os tempos de estudante até ser publicada como subtítulo de Ecce homo. Minha hipótese é que a fórmula “tornar-se o que se é” pode ser compreendida através do conceito de “vivência” (Erlebnis). Vivência significa estar ainda presente na vida quando algo acontece, porém, nunca estamos conscientes da vivência quando ainda a atravessamos. Neste caso, a vivência é um contra-conceito da razão e, como tal, é compreendida como pathos. Trata-se de uma noção que, como pathos, não pode ser conceitualmente sistematizada e nem sequer comunicada através de signos linguísticos, pois tão logo a racionalizamos ou comunicamos, deixa de ser uma vivência. “Tornar-se o que se é”, porém, acontece unicamente na vida e precisamente através das vivências, de modo que “tornar-se” se converte em um imenso processo de experimentação essencialmente fluido.

ISBN: 978-85-66045-11-6  

326 páginas

 

FRETE GRÁTIS (envio somente às segundas-feiras pela modalidade IMPRESSO)

Nietzsche e a vivência de tornar-se o que se é

R$ 71,00 Preço normal
R$ 59,50Preço promocional
     

    ©2019 por Editora Phi.